• Arquivo
  • Biblioteca
  • Hemeroteca
  • Mapoteca
  • Museu
  • Revista IHGB
Escolha o acervo em que deseja realizar sua busca através das abas abaixo. Pesquise por campos específicos da ficha catalográfica individualmente ou em conjunto. Argumentos definidos em mais de um campo funcionam como filtro acumulativo para os resultados.

Buscar todos os campos

Título

Código de Referência

Notação Orig.

Notação Final

Notação Provisória

Data Limite

Série

Produtor

Destinatário

Ambito e Conteúdo

Características Físicas

Local

Data

Nº Documentos

Nº Páginas

Idioma

Autenticidade

Condições Acesso

Condições Reprodução

Indexação

Onomástico

Topônimos

Hist. Administrativa/Biografia

Dimensão/Suporte

Notas de Conservação

Notas Gerais

Endereço

Especie

Cromia

Processo

Dimensões/Imagem

Microfilme/Negativo

Anexos

Buscar todos os campos

Título

Fundo

Código de Referência

Notação Orig.

Notação Final

Notação Provisória

Data Limite

Série

Produtor

Destinatário

Ambito e Conteúdo

Características Físicas

Local

Data

Nº Documentos

Nº Páginas

Idioma

Autenticidade

Condições Acesso

Condições Reprodução

Indexação

Onomástico

Topônimos

Hist. Administrativa/Biografia

Dimensão/Suporte

Notas de Conservação

Notas Gerais

Endereço

Especie

Cromia

Processo

Dimensões/Imagem

Microfilme/Negativo

Anexos

Escolha o acervo em que deseja realizar sua busca através das abas abaixo. Pesquise por campos específicos da ficha catalográfica individualmente ou em conjunto. Argumentos definidos em mais de um campo funcionam como filtro acumulativo para os resultados.

Buscar todos os campos

Título

Autor

Autor Secundário

Classificação

Idioma

ISBN

Edição

Local/Editor

Data de Publicação

Descrição Física

Título de Série

Notas Gerais

Descritores

Escolha o acervo em que deseja realizar sua busca através das abas abaixo. Pesquise por campos específicos da ficha catalográfica individualmente ou em conjunto. Argumentos definidos em mais de um campo funcionam como filtro acumulativo para os resultados.

Buscar todos os campos

Título

Indicação de Responsabilidade

Designação Numérica

Imprenta

Descrição Física

Série

Notas

Resumo

Forma Física Adicional

Assunto

Idioma

Periodicidade

ISSN

Situação

Aquisição

País

Coleção

Buscar todos os campos

Título

Autor Principal

Autor Secundário

Classificação

ISSN

Título Periódico

Imprenta

Data Publicação

Referências

Notas Gerais

Resumo

Citados

Assunto

Termos Livres

Coleção

Buscar todos os campos

Título

Autor Principal

Autor Secundário

Classificação

Idioma

ISSN

Título Periódico

Local/Editor

Data de Publicação

Referências

Notas Gerais

Resumo

Citados

Assunto

Termos Livres

Bibliografias

Escolha o acervo em que deseja realizar sua busca através das abas abaixo. Pesquise por campos específicos da ficha catalográfica individualmente ou em conjunto. Argumentos definidos em mais de um campo funcionam como filtro acumulativo para os resultados.

Buscar todos os campos

Título

Autor Principal

Autor Secundário

Dados Matemáticos

Imprenta

Data Publicação

Descrição Física

Notas

Resumo

Assunto

Termos Livres

Coleção

Classificação

Escolha o acervo em que deseja realizar sua busca através das abas abaixo. Pesquise por campos específicos da ficha catalográfica individualmente ou em conjunto. Argumentos definidos em mais de um campo funcionam como filtro acumulativo para os resultados.

Buscar todos os campos

Título

Termo

Data/Época

Autor

Material

Fabricação/Origem

Escolha o acervo em que deseja realizar sua busca através das abas abaixo. Pesquise por campos específicos da ficha catalográfica individualmente ou em conjunto. Argumentos definidos em mais de um campo funcionam como filtro acumulativo para os resultados.

Buscar todos os campos

Título

Número

Autor Principal

Autor Secundário

Título Periódico

Data de Publicação

Referências

Notas

Resumo

Assunto

Termos Livres

No futuro, no progresso cultural, acumulativo e complexo, não haverá vencedor único e permanente. Entre o oral e o escrito e o visto.

 Na terça-feira, por volta de uma da tarde, perguntei à recepcionista. Quantos? Mais de duas mil pessoas já tinham assistido à exposição, respondeu. Em Veneza. Do Pavilhão do Brasil, deste ano, na Bienal de Arte.

A exposição chama-se “Com o coração saindo pela boca”, de Jonathas de Andrade, alagoano que mora no Recife. Artista contemporâneo. Agora, de renome internacional.

Dedo podre. Costas quentes. Pé na bunda. Mão dupla. Na ponta da língua. Molhar a mão. Comer com os olhos. Pé de guerra. Saco cheio. Nó na garganta. E por aí vamos. São mais de duzentas expressões como estas. O que elas têm em comum?

Formam um todo conceitual. Qual? Aliás, quais?

São todas expressões da oralidade popular. Todas se referem a alguma parte do corpo humano. Não vivem do escrito, mas se sustentam no dizer. No falar. Atravessam gerações, usuários e regiões. Não existe autoria determinada que com certeza se saiba. São do brotar da espontaneidade. Não têm tradução precisa para outras línguas estrangeiras. E por aí vamos.

É um achado linguístico, um tesouro, transformado em arte por Jonathas e Jacopo Crivelli Visconti, curador da exposição.

A porta de entrada da exposição foi modelada como uma grande orelha, um ouvido, por onde fisicamente entramos. A porta de saída é a outra orelha, o outro ouvido por onde saímos. Assim a interatividade começa pelo próprio prédio, o local da exposição.

Mas os autores pretenderam mais. É arte política também. Porque depende da prática, do uso popular. Uma política acima de classes, partidos ou ideologias. Não são guardadas em biblioteca ou documentos ou tecnologia quaisquer. Vivem na voz do povo, da igualdade, da democracia e da participação. Voz que transforma o próprio corpo em sua expressão.

Existem porque voam e se recontinuam.

São expressões que não precisam de explicação para sua compreensão, corpo a corpo.

A conclusão é inevitável. A nossa palavra não é feita apenas de letras, do alfabeto, mas também de fonemas. De tonalidades, de gritos, de harmonias. A voz pode ser traduzida em letras. Mas não é letra.

A entrada de Fernanda Montenegro e de Gilberto Gil na Academia Brasileira de Letras, por exemplo, simbolizam a força que a voz e a oralidade têm assumido na cultura. Nossa e do mundo.

Basta reconhecer a tendência da inovação tecnológica. Entramos na era dos comandos de voz. Dos podcasts, dos “postcasts” e alexas. Da internet de voz. É como se a voz tivesse se aliado à imagem e ambos agora competem com as letras.

O fonema é uma expressão da literatura também.

No futuro, no progresso cultural, acumulativo e complexo, não haverá vencedor único e permanente. Entre o oral e o escrito e o visto. Haverá sucessivas e alternadas ondas de preferências e dominâncias, como a história tem sido feita.

Pois como diria, parodiando, Joaquim Nabuco, muito antes de Bauman, em Minha formação, de 1900: a terra, o futuro, se tornou “líquido e movente”. Como a voz. Verba volant.

E assim permanece.

 

Joaquim Falcão, jurista e membro da Academia Brasileira de Letras

Navegue no Acervo

Revista IHGB